Posts Tagged ‘creative commons’

Primeiro filme sob licença Creative Commons

segunda-feira, outubro 12th, 2009

Acabei de ver o trailer do filme sueco “Nasty Old People”, que é o primeiro a ser lançado sob licença Creative Commons e disponível para baixar desde o último dia 10 legalmente no site do Pirate Bay.

O filme conta a história de Mette, que é membro de uma gangue nazista, e gasta seu tempo trabalhando para 4 idosos loucos que tudo que fazem é esperar pela chegada da morte. A sua vida é uma viagem num burlesco conto de fadas, onde as regras do jogo são criadas por ela mesmo.  Mette é totalmente indiferente sobre o rumo da sua vida até uma noite em que ela assalta um homem. No dia seguinte ela se dá conta de que há algo errado e passa a ansiar por amor e respeito na companhia dos velhinhos malucos.

Multicolr Search Lab

quinta-feira, junho 11th, 2009

Prepare-se para perder horas. A Idée Inc. lançou uma nova biblioteca de busca de fotos por combinação de cores. A ferramenta busca mais de 10 milhões de fotos sob Creative Commons da coleção “interesting” do Flickr.

picture-16

Via

RIP – A remix Manifesto pronto

domingo, maio 10th, 2009

No ano passado citamos o documentário “RIP – a remix manifesto” algumas vezes nesse blog. Finalmente ele está pronto e disponibilizado em vários capítulos na web para quem quiser ver. O documentário é sobre direitos autorais e a cultura de remix, tão em alta nos últimos tempos.

Esta é a primeira versão. Você pode ajudar, acrescentar e criar trilhar. Há várias maneiras de participar. Se animou? Saiba mais aqui. Segue o primeiro capitulo com Girl Talk, um dos meus artistas favoritos:

Via Ola Persson

Para entender a Internet

terça-feira, março 31st, 2009

Este assunto já vem rolando há alguns dias, mas só agora parei para baixar o pdf e dar uma boa zapeada nele. O e-book “Para entender a Internet” foi lançado no dia 18 de março e nasceu da idéia do Juliano Syper de criar um livro colaborativo com a condição de que cada artigo deveria ter um verbete correspondente na Wikipedia. Convidou vários bambambans da Internet como Kazi, Alexandre Matias, Cris Dias, Manoel Lemos, Carlos Merigo, Fabio Seixas, Rosana Hermann, Bárbara Dieu, Ronaldo Lemos entre outros totalizando 38 autores.

Baixe, leia e divulgue, pois é um baita projeto bacana organizado num tempo recorde de um mês:

Para entender a internetÉ também um projeto colaborativo – literalmente – publicado com licença CC e aberto a interferências. Parabéns ao Juliano Syper que fez acontecer.

Somos todos piratas?

quarta-feira, fevereiro 4th, 2009

Segunda saiu uma entrevista muito boa do Lawrence Lessig para o Estadão. Para quem não sabe, o Lessig é o criador do Creative Commons, uma organização não-lucrativa que oferece ferramentas para que as pessoas possam disponibilizar seu trabalho com a liberdade que queiram, saindo do habitual “Todos os direitos reservados” para “Alguns direitos reservados”. Existem quatro tipo de licenças disponíveis e você pode dar uma olhada nelas aqui.

Você pode contribuir de várias formas com o CC, seja por doações, compras na loja ou disponibilizando seu trabalho através de alguma das licenças (no Flickr por exemplo, você pode mudar a licença das suas fotos facilmente na página da sua conta – as fotos vêm com todos os direitos reservados por default). O conteúdo desse blog, por exemplo, está disponível desde que seja linkada a fonte (veja selinho ali do lado).

estadao_l8

A reportagem do Estadão, eu vi no blog do Michel Lent.

Girl Talk

terça-feira, janeiro 20th, 2009

Fizemos nossas listas, mencionamos o que mais ouvimos e até concluí que o artista de 2008 foi TV on the Radio, já que ele esteve presente em pelo menos 8 de cada top 10 feito por revistas, blogs e jornais. Pensei bastante a respeito e o meu artista do ano foi Girl Talk. Talvez eu o eleja um pouco tarde, já que a essas alturas ninguém está mais olhando para trás e sim correndo atrás do que pode ser o grande booom de 2009, mas este post está na minha cabeça há algum tempo e eu precisava escrevê-lo.

Girl Talk tocou no Brasil no Tim Festival de 2007. Em São Paulo o seu show foi na The Week na noite eletrônica. Infelizmente eu perdi, pois tinha Rebel no mesmo dia. Foi com pesar que no dia seguinte ouvi todo mundo comentando sobre um dos melhores shows do Tim daquela edição. Antes disso ocorrer, eu e o Fabilipo tínhamos cogitado dele tocar no aniversário do Glória, mas que acabou fechando outra atração. Afinal quem era Girl Talk?

Na minha última viagem aos Estados Unidos eu tive a oportunidade de assistir a dois shows dele, porém o primeiro coincidiu com outro show e acabei abrindo mão. Deixaria para vê-lo no All Points West em NY. O álbum “Feed the Animals” tinha acabado de ser lançado e eu mal o tinha ouvido. Confesso que, apesar de imaginar um show muito divertido, eu não imaginei o quanto ouvir Girl Talk poderia causar uma sensação incontida de felicidade.

Girl Talk
Quando o Larry Tee me ligou perguntando se eu gostaria de dançar no palco com o Girl Talk, eu mal pude conter minha alegria, afinal se show já era considerado incrível para quem assistia, imagine para quem participasse diretamente dele. Essa experiência, que eu já citei várias vezes, foi com certeza uma das mais divertidas da vida. Assista a sequência aqui (eu sou a de fita rosa na cabeça e camiseta de zebra).

Girl Talk @ All Poins West (Foto tirada por http://www.flickr.com/photos/johnxavier/)

Desde então “Feed the Animals” tem sido tocado repetidamente no ipod, no computador e às vezes até nos meus sets. O cd foi lançado para download gratuito ou pagar US$ 5,00 para bonus track ou US$ 10,00 para receber o CD físico.

E tanto eu, quanto o Fabilipo e a Dani (que aderiu ao cd recentemente de tanto que falamos dele) temos discutido o quanto ouvir este álbum nos deixa feliz. Se em algum momento eu não estou legal, eu já corro para dar play nele. E nos meus devaneios sobre o porque deste cd ter tal eficiência como a pílula da felicidade, não foi difícil encontrar a resposta.

“Feed the Animals” possui mais de 300 samples em menos de 1 hora, que nos remete para épocas diversas de nossas vidas e evocando fases esquecidas. Provavelmente é essa ode ao passado o grande responsável pelo estado de espírito em que sou acometida ao ouvi-lo. Afinal passa por Rage Against the Machine, Jay-Z, Twisted Sister, Avril Lavigne, Michael Jackson, Radiohead, Queen, Beastie Boys, The Police, The Cure, Faith No More, The Jackson 5, Yeah Yeah Yeahs, Public Enemy, Eminem, Nine Inch Nails entre centenas de outros. Confira nesta lista todos os samples de Feed the Animals.

Com este repertório não há como não embarcar numa viagem ao tempo, especialmente se você viveu os anos 80 e 90. Por isso eu digo: Girl Talk é gênio!

*Vale relembrar aqui o post que a Dani fez sobre o Remix Manifesto e dar um pulo no site oficial, especialmente em semana de Campus Party quando um dos assuntos discutidos é Creative Commons