Posts Tagged ‘social networking’

Previsões & relatórios de Social Media

quinta-feira, abril 8th, 2010

Adoro previsões e recentemente comprei no eBay uma bola de cristal, para poder estimar impacto de ações para os meus clientes. Às vezes ela me surpreende, às vezes ela me decepciona.

Quem trabalha com Social Media sabe que há estimativas que são impossíveis de prever, como, por exemplo, quantos views vão ter um determinado vídeo. Outra solicitação comum é “plano de seeding para viralizar um vídeo ou uma ação”. O verbo “viralizar” me causa arrepios há pelo menos 2 anos. Vou eternamente agradecer a Viral Factory por ter falado na palestra que fizeram no NBC09, que eles fazem “virais”, mas nenhum irá custar menos de US$ 300mil. Um exemplo do que fizeram e jamais alguém diria que custou o que custou, foi o XXX Party, da Diesel.

A notícia boa é que tem muitos projetos bacanas de Social Media rolando no Brasil. Há muito o que aprender e a aplicar, além de quebrar de uma vez algumas por todas algumas crenças: não é fácil e nem barato fazer um viral, social media não é apenas seeding e ações com blogueiros.

Outra notícia boa é que há muito material bom espalhado pela web sobre o assunto. Resolvi compartilhar alguns reports que valem a pena serem estudados, seja por quem se interessa pelo assunto, seja para quem trabalha com publicidade e comunicação ou apenas para aqueles que gostam de ler sobre tendências. Have fun!

Predicting the future with Social Media by Social Lab HP – acabou de sair do forno e é um estudo bem interessante, que faz um estudo para prever receitas de bilheterias de filmes, a partir de comentários no Twitter. A escolha foi feita porque filme é um assunto de interesse e muito discutido nas redes sociais, além de ter uma variação elevada nas opiniões. Os resultados também podem ser obtidos a partir das receitas das bilheterias. O estudo está bem detalhado e focado no Twitter.

- 20 eBooks gratuitos sobre Social Media

- 10 Ideas for the new decade by Edelman – não é somente sobre Social Media, mas tendências para essa década. O relatório se inicia justamente falando sobre como as redes sociais alteraram os modelos de negócios. E depois discorre sobre mobile, localização, mas sempre com social media permeando todas as frentes dos negócios.

- 25 eBooks, relatórios e artigos gratuitos sobre Social Media – tem do básico, de como começar um blog nos negócios, o que é Social Media até SEO na Web 2.0. Dá para perder um bom tempo por lá.

- EConsultancy, tem estudos de várias áreas. São todos pagos, mas a amostra do relatório, que é gratuita, já tem bastante informação valiosa.

- Behaviorgraphics Humanize the Social Web – um bom estudo feito pelo Brian Solis, para ajudar as empresas a estarem nas mídias sociais de uma forma mais humana, pois muitas empresas criam uma lista de onde precisam estar (um blog aqui, um podcast ali) para alcançar seus objetivos de marketing. Uma abordagem coerente é focar no público-alvo e definir qual tipo de relacionamento a marca quer construir com ele, baseando-se no que estão preparados para ter como relacionamento. A Forrester classifica comportamentos de social computing em uma escada de 6 níveis de participação, usando o termo Tecnographics “Social” para descrever a análise da população de acordo com a participação nesses níveis. Marcas, sites, e qualquer outra empresa que buscam as tecnologias sociais, devem analisar seus clientes no Technographics Social primeiramente, e a partir daí criar uma estratégia baseada nesse perfil. A partir daí ele descreve a hierarquia desse gráfico.

- The Global Social Media Check-up feito pela Burson-Marsteller, analisando a lista Fortune 100, nos EUA, para identificar como se e como elas estavam usando as mídias sociais. O resultado mostrou que 79% das empresas estão nas redes sociais e aponta o Twitter como a plataforma favorita. (dica do @barbato)

- A World of Connections – A special report on social networking, feito pela revista Economist e é pago. Faz uma análise bem detalhada do comportamento nas redes sociais, mostra as oportunidades de empresas pequenas tornarem-se grandes usando as mídias sociais, citando cases, além de discutir sobre privacidade. Vale a pena eu compartilho com meu leitor a minha compra.

- Blog Social Media por Raquel Recuero, que é uma expert no assunto e sempre tem artigos e discussões bem interessantes.

***esse post está em construção – farei updates para compartilhar uma boa lista que tenho separada por aqui, mas para não demorar para sair, já dá para ir aproveitando algumas dicas

Social Media is dead

quinta-feira, março 25th, 2010

Um olhar bacana sobre o assunto. Não tem muitas novidades para quem trabalha com Social Media, mas sempre tem para quem ainda não se rendeu a ela ou ainda acha que Social Media se resume a “seeding” e “viralização” (ahn?):

Suicídio nas redes sociais

segunda-feira, dezembro 21st, 2009

Eu adoro esses projetos sobre em que o foco é deletá-lo das suas redes sociais na web. Acabei de ver o “Suicide Machine”, que ajuda você a se suicidar no Facebook, Linkedin e myspace. Faltou o twitter, que é um dos grandes vilões do tempo que consumimos online e a culpa por ficar desconectada, justamente pela avalanche de “coisas importantes” que estou perdendo. Aham.

Claro que isso traz à tona questões que estamos sempre debatendo sobre nossas vidas além da tela, porém essa discussão é para as gerações que nasceram sem Internet e só foram se conectar na adolescência ou depois dela, pois para a geração Z, que nasceu conectada, a diferença entre on = off é tênue.

O melhor do site é o vídeo dramático de como funciona o “Suicide Machine”:

via

2010: tendências

terça-feira, dezembro 1st, 2009
future by h.koppdelaney

future by h.koppdelaney

Final de ano e as previsões para o ano seguinte já bombando. No ano passado eu tentei mapear as principais tendências para 2009 aqui no blog, além de dicas de sites focados no assunto. Muito do que se lê a respeito de “tendências” já é realidade. O próprio relatório FEED 2009 da Razorfish já demonstra isso. A experiência do consumidor é essencial, o diálogo entre ele e a marcar é algo que já deveria ser o básico, já que a informação é livre e o boca a boca é um dos maiores fatores de decisão na hora da compra.

2010 também é analisado como um ano de mudanças incríveis no marketing, eu diria que essas mudanças já estão rolando há algum tempo. Esses dias participei de uma reunião envolvendo uma grande marca, que tem foco no verão e sempre lança grandes campanhas nessa época do ano. A minha vizinha de mesa, que passou a vida trabalhando em agências “offline”, quase caiu para trás quando fomos informadas de que em 2010 a marca não faria a habitual campanha, que o foco e esforços seriam concentrados na web. Isso mesmo, a marca que passou os últimos anos gastando uma fábula com campanhas na TV e mídia impressa está mudando seu “jeito de fazer propaganda”. Para quem trabalha com Internet e está acostumado a lidar com budgets reduzidos, que geralmente não ultrapassam 10% do investimento anual estão invertendo: reduzindo o budget para marketing e aumentado o investimento para campanhas na web.

No último NBC09 alguns palestrantes afirmaram que o anúncio de TV não está morrendo (e também não acho que esteja), mas ele precisa se reinventar cada vez mais, especialmente numa década em que o sonho de qualquer marca é emplacar um “viral”, sendo que são poucos que conseguem e geralmente com um investimento altíssimo.

Abaixo algumas apresentações, relatórios e posts sobre 2010:

16 tendências em Social Media pelo Agent Wildfire, que não tem nenhuma novidade para quem vive focado em mídias sociais há pelo menos 1 ano: conteúdo diferenciado, SEO, ser o primeiro a fazer, construir relações influentes e por aí vai, mas tem insights interessantes.

Web 2010 – Ten trends defining your future, feito pelo Jay Berkowitz, CEO do Ten Golden Rules, em que ele fala sobre as inovações que estão conduzindo negócios ao sucesso, os melhores sites de social media para negócios, futuro do Google, como usar a internet para construir sua marca de forma personalizada, como ganhar dinheiro com Social Media, etc. O objetivo da apresentação é mostrar como as empresas e pessoas podem se diferenciar e ter sucesso online.

10 Trends to watch in 2010, por David Stutts, mostrando o que vai ser a bola da vez no próximo ano e o porquê. Entre suas previsões tem realidade aumentada indo ao mainstream, P2P (pagamento por celular), QR Codes (aqui será que vai pegar?), e-commerce nas redes sociais, crowdsourcing, aplicativos para celular, etc.

Five Social Media Predictions for 2010, pelo Social Media Today, também traz realidade aumentada em primeiro lugar, depois cita geotagging e colaborações em desenvolvimento de aplicativos.

8 Social Media Predictions for 2010, pela Navstar Inc., em que para mim o ponto principal é que o 2.0 vai  (já está chegando) ao mainstream. Se você não está no Twitter, Facebook e Youtube, vocês simplesmente não está na Internet.

Six Social Media Trends for 2010, pela Harvard Business, em que aponta em primeiro lugar que Social Media será cada vez menos social, fazendo com que as redes se tornem cada vez mais exclusivas.

O ZDNet publicou um artigo bacana questionando se em 2010 as mídias sociais vão alcançar a ubiquidade (a capacidade de estar em todos os lugares ao mesmo tempo).

A Techflash promoveu uma mesa redonda para tentar prever o futuro do Twitter, Google e outras marcas. Chegam a prever até os valores das ações dessas companias até o final de 2010. Para eles o twitter é um veículo promocional, enquanto o facebook é um veículo social, ou seja, o twitter tem mais potencial de fazer receita. Vamos ver!

A CNBC fez uma previsão sobre consumo no próximo ano e já começa afirmando que os consumidores voltarão no estado de hibernação após as férias, pois aprenderam a viver com menos.

Para quem é da indústria, vale a leitura das previsões feita pela Luxoft, que também não deixa a Social Media de fora.

A Mintel fez previsões para as tendências que impactarão no desenvolvimento global de produtos novos focado no ramo alimentício.

Vale sempre conferir os briefings do Trendwatching e assinar os feeds do WGSN, The Cool Hunter, Trendspotting, Trendcentral, Springwise e também recomendo o 180360720.

O que eu acho bem interessante é fazer comparativos das previsões que rolaram para 2009, analisando o que realmente se tornou realidade, o que ainda se apresenta como tendência ou o que foi uma previsão furada.

Achei interessante essas previsões globais feitas em 1996 para o ano de 2010 pelo NIC. Também há previsões globais para 2015, 2020 e 2025. Isso que é ter bola de cristal.

Aproveitei para dar uma olhada no Google Zeitgeist, que aponta as palavras mais buscadas. Apesar da crise econômica, escândalos diversos, Olimpíadas, catástrofes, as maiores buscas foram relacionadas às redes sociais, sendo que o Orkut lidera o ranking, depois vem youtube, hotmail e os dois grandes termos buscados foram “futebol” e “gripe suína”. A Geisy não apareceu.

Ainda em dezembro eu vou fazer uma análise do previsto para 2009, o que de fato aconteceu e o que continua como previsão para 2010. Acho que vale o exercício.

Também agradeço contribuições para esse post com novas sugestões de relatórios e/ou posts relacionados à 2010.

blip.fm agora com vídeos

quarta-feira, maio 20th, 2009

me rendi ao blip.fm poucos meses atrás e desde lá tenho blipado medianamente – talvez pela quantidade de músicas pela metade que você encontra, mas isto não vem ao caso – e hoje de manhã quando fui ouvir uma música reparei numas ‘televisõezinhas’ ao lado de algumas.
dei play, e vi o clipe passando… boa idéia a parceria com o youtube. você encontrar não só os clipes originais, mas gravações ao vivo e versões. de qualquer forma, não é nada de muito muito útil, ao menos não pra mim, que o uso para ouvir e não ver música.

picture-13

Onde está todo mundo?

quinta-feira, abril 30th, 2009

A revista Baekdal publicou uma análise fantástica sobre como as pessoas se conectam numa viagem de 210 anos de história e desenha uma previsão para mais 10 anos. Onde estávamos, onde estamos e para onde vamos?

2009 é o ano em que tudo é “social” e mostra que a Internet é quem domina o mundo atualmente. O jornal está morte, as pessaos vêem TV cada vez menos, os sites tradicionais estão morrendo e o novo rei da informação é qualquer um, usando redes sociais para se conectar e se comunicar.

Olha que bacana: nos últimos 210 anos vimos uma evolução fantástica da informação:

1) consegue a informação em lugares distantes
2) consegue ao vivo
3) vê ao vivo
4) consegue decidir quando ver algo e o que ver
5) nos permite fazer parte e comentar
6) publicamos nossas próprias informações
7) … e em 2009… somos a informação

Mas 2009 é também o início da próxima revolução, porque tudo que sabemos é sobre mudanças. E em 2020 o tradiocional estará morto, pois de acordo com a análise nos próximos 5-10 ainda teremos mudanças no formato da informação e tudo que estiver na forma tradicional não resistirá.

marketflow1

Ótimo material para as agências “onlines” deixarem seus ppts ainda mais vendedores. Quem disse que o mundo já está convencido pelo óbvio? Estamos apenas no começo, especialmente quando se fala de Social Media, que todos querem, mas querem porque acham que é ali que vai fazer campanha sem tirar um tostão do bolso.

Social Media não é BTL, é o futuro e que já está aí batendo nas nossas portas.

Adolescentes & Redes Sociais

segunda-feira, fevereiro 2nd, 2009

Danah Boyd, expert no comportamento digital dos adolescentes, disponibilizou gratuitamente sua dissertação de Ph.D no seu blog.

Para quem e interessa pelo assunto, vai se deleitar com a (extensa) leitura. Como o estudo é baseado no comportamento americano, as redes analisadas são Facebook e myspace.

Taken Out of Context: American Teen Sociality in Networked Publics

Via Random Culture

A guerra entre as redes sociais

terça-feira, julho 1st, 2008

Esse vídeo é genial:

Divagações e a vida à venda

quarta-feira, março 19th, 2008

Gasto parte do meu dia atrás de novas idéias e referências. Para quem não sabe, meu trabalho implica em gastar horas em blogs, facebook, myspace, orkut, twitter e qualquer outra rede social imaginada. Bebo das fontes Techcrunch e Mashable, além dos sites/blogs focados em social media. Ganho para isso e posso dizer que estou satisfeita, obrigada.

Por que tanto blá, blá, blá? Porque estou atrás de um estilo para o meu blog e confesso que ainda não encontrei. Hoje no twitter o Inagaki começou a discorrer sobre blogs 1.0 relembrando blogueiros que foram famosos e sumiram. Várias pessoas, incluindo moi, se manifestaram relembrando outros e também quando começaram. Eu fui atrás do meu primeiro blog, mas ele não está no ar, que deve ser mais ou menos de 1999. Depois eu migrei para o blogger em 2001 e passei muito tempo por lá, até aposentá-lo e seguir para o multiply e assim por diante, além de colaboração em tantos outros e os alter-egos espalhados por aí com meus codinomes.

Eu sempre tive um problema danado no tal FOCO. É, focar para mim é um sonho distante. Sou multi-desk. Estou sempre fazendo zilhões de coisas ao mesmo tempo. Estou trabalhando num ppt, falando com pessoas no msn, twittando, lendo meus feeds e emails, atendendo telefone. É difícil eu parar e ficar só em uma coisa, mas às vezes eu consigo tal façanha.

Claro que às vezes rola um curto-circuito. Dá aquela paranóia e vontade de sumir. Pego o caderninho, esboço alguns destinos, tomo uma cerveja e desencano. O lado bom é que raramente meus surtos viram o dia, mas quem não tem vontade de vez em quando de jogar tudo para o alto e sumir? Foi isso que fez eu iniciar este post.

Enquanto lia meus feeds me deparei com um que eu considero o mais curioso dos últimos tempos, além de ser bem criativo. Um australiano chegou neste ponto de querer uma vida nova. Pelo jeito o saco estava na lua de tão cheio. Pois bem, decidiu vender tudo e colocou a sua vida à venda no e-Bay.

Fez um site, o A Life for Sale, explicando tudo e o que está a venda. Tem carro, casa, moto, jet ski, spa e ainda 2 semanas de teste no emprego dele, além dos amigos, que parecem ser bons companheiros de farras. Assim que conseguir liquidar tudo, ele diz que vai pegar a carteira, o passaporte e começar uma nova vida.

Isso que eu chamo de atitude radical.

Via Quero te contar